Pesquisar este blog

domingo, 21 de dezembro de 2014

DE MIM E DA REALIDADE




Ah, mas e como esquecer o que o meu coração

Todos os dias clama em profundo ardor

E é chama que arde intensamente e é emoção

Quando me traz à lembrança dias de amor?



Lembras, ó Diva, quão lindos eram esses dias

Sem par e sem haver igual no Mundo? -

As mesmas lágrimas em horas tardias

De vontades feitas… e eram tudo, e eram tudo!



Infelizmente do tudo se fez nada - emudeceu!

E era eu quem adoecia… e a noite anoiteceu

Quando no espelho olhando-me troçou de mim.



E ainda hoje, quando visto o meu desassossego

Nas noites frias deixo que o torpor e o medo

De não mais te ter, deixe-me tão assim… tão assim!...



Jorge Humberto

20/12/14

Um comentário: