Pesquisar este blog

domingo, 28 de setembro de 2014

TUDO MORA NO MEDO





Frio, densa neblina,
Temerosa noite,
Dia 13, sexta-feira,
Uma história, uma cisma,
Enegrecido prisma,
Maldade no ar,
Medo, muito medo,
Não devia andar sozinha,
Não queria sentir medo,
Maldição, casa vazia,
Todo ruído é pânico,
Toda sombra é assombração,
Sob a escada, negro felino,
Espio pelas janelas,
Do mundo, as mazelas,
Tanta dor, tanta tristeza,
Máculas indisfarçáveis, inapagáveis,
Nada que possa tirar de nós,
O pútrido cheiro do horror,
Pressinto o próximo movimento,
Procuro esconder o rosto,
O silencio precede o momento final,
Tudo se cala, diante do perigo,
Ou somos nós que deixamos de ouvir,
De perceber o que se move,
Bem diante de nós,
Procuramos imagens,
Algo que defina o risco
Que previna a proximidade do abismo,
Tudo mora no medo,
Até a fé...

Vera Celms
Licença Creative Commons
TUDO MORA NO MEDO de Vera Celms está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

2 comentários:

  1. Bom dia querida maninha Vera! Versos magníficos ao medo...Como sempre escreves, magistral, grande beijo, mana miloka de sempre, MIL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, querida Maninha Miloka!!! obrigada, como sempre, pelo carinho... grande beijo da MANA VC

      Excluir