Pesquisar este blog

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Minhas mãos estão sujas

Minhas mãos estão sujas
Dos pecados que te acometi
Minhas mãos vão nuas
Como de mim tudo o que perdi.
Meus dedos são garras
O pouso de minha mão
Traz o toque da morte com ela
E eu apelo à razão
Que me leve junto a ela
Sem apelo nem comoção.
Todo eu sou sombras
Coisa informe e delicada
E quanto mais eu me conheço
Quanto mais não me mereço
Mais e mais me envelheço
Para esta vida pouco mais
Que nada...
Ah, que se me cegassem os olhos
O dia em que te vi
E que as mãos me dormissem
Ao chegar-me junto a ti –
Como não há razão
Que não supere a emoção
Outro tanto de felicidade
Esquecida na saudade.
Mas ah, tu vinhas tão linda,
Nobre, o traço esmiuçado
Que eu logo supus morrer
Para não te dar agravo
Desse teu viver.

Jorge Humberto.
27, Setembro, de 2005

2 comentários:

  1. Poeta Humberto, imenso prazer de ler esta belíssima obra, felicitações pelo teu grande talento, bjs MIL.

    ResponderExcluir
  2. Querido amigo Jorge Humberto, teus versos tem o peso da (in) justiça... pesar que acompanha, memorias, atos, laços... PARABÉNS!!! belos versos... belo trabalho... grande beijo de VC...

    ResponderExcluir