Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

INDECENTES JUÍZES





Tudo ali era escuro, frio,
Até o vento, soprava mais gélido
vestido de negro,
Cheirando a fumaça, de escombros
As janelas, abertas para o nada
Faziam lembrar tragédias,
Gritos, gemidos, dor,
Horror estampado em todos os olhares
Feridos ou não,
Todos doíam,
Todos sofriam
Cada um a seu modo, todos choravam
Doíam de si, de mãos atadas,
Tragédia anunciada pelo destino
Traçada pelo acaso
Avalizada pela crueldade
Juízo implacável, de indecentes juízes,
Que moral pode ter um algoz?
Judiar pela satisfação de “instintos”
Prazer mórbido, lúgubre, tácito,
Cena assistida por detrás das cortinas,
Espiada, escondida, velada,
Aplausos masoquistas, como chicotes,
Sangram a pele, após tiradas as vestes,
Contemplando o corpo salgando-se em si,
Agonizando, pedindo clemência,
Chorando, definhando,
Mero expectador
Deixando-se chicotear, por pura inércia,
Doendo e chorando,
E pedindo paz...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho INDECENTES JUÍZES de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

2 comentários:

  1. MANINHA VERA, TEU POEMA ME TOCOU MUITO...UM ALGOZ É ALGUÉM DO MAL, O QUE É ARREPIANTE É QUE HÁ TANTO MAL MESMO... PARABÉNS AMADA PELA TUA MAGNÍFICA OBRA, BJS MANAMILOKA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande beijo, amada MANINHA MIL... já conhecemos alguns algozes pela vida, mas permanecemos em pé... e continuaremos...

      Excluir