Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

DÊEM-ME O QUE TANTO VOS PEÇO!


Doutora, Ana lito; Doutora, Emília
Vós sois pra mim, minha família,
Em tudo que me deram, desde então,
Faz quase nove meses, pois então.


Sempre, de vós, o apoio não olvidou,
A que junto as enfermeiras – aqui estou,
E hoje, preciso de novo alento,
Escutai pois, meu mais destro lamento.


Por isso, deixem-me que vos diga, enfim,
Hoje e só hoje, minha mãe, segreda-me
Ao ouvido: filho, ficai aqui, perto de mim.


E eu, que não tenho coração de pedra,
Tudo farei, mas tudo- Ô mãe, espera-me,
Que tudo cumpri: assim, ninguém degenera.


Jorge Humberto
2912/203

Um comentário:

  1. Querido amigo Jorge, triste esse lamento! O pedido de uma mãe, não se recusa, o afago, a presença, a mão... permanece perto, fique enquanto puderes... roga aos médicos... Que o novo ano lhe sorria, lhe seja leve, e ensolarado. Que o conforto lhe abrace... Um grande beijo, meu carinho sempre...

    ResponderExcluir