Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

MIL AMORES (Indrisos)



Hoje mato minha sede de tudo,
Onde muda eu sofri, mas feliz;
Saber que nada é eterno de dia...,

...A que nos cerca a vida da noite!
Fiz a minha escolha e a agarrei,
Pura de nada..., limpa sem saber!

E o ato amar, pra mim não é o julgar,

Ver ou fazer; é permitir-se sem defeitos!



Eduardo Eugênio Batista (Setedados)

2 comentários:

  1. Querido Eduardo, que bom que ..."E o ato amar, pra mim não é o julgar,"... amar, é entrega, é confiança, é liberdade de ser, de estar e permanecer... belo indriso. Beijos de VC

    ResponderExcluir
  2. EDUARDO, PRA MIM AMAR É ENTREGA TOTAL, SEM RAZÕES OU JULGAMENTOS, ADOREI TEUS VERSOS, GRANDE BEIJO, MIL.

    ResponderExcluir