Pesquisar este blog

domingo, 28 de abril de 2013

SUPLÍCIO OU ESQUECIMENTO?





Olhar lá fora e não reconhecer o mundo
Em torno de você, paredes imensas,
Cômodos vazios,
Janelas fechadas não te permitem a luz
O sol não pode entrar
O frio é glacial
Na pele e na alma
O eco é o que de você bate no limite
e volta monstruoso, derrubando a paz
Chorar não resolve
Desesperar-se não adianta
Gritar, ninguém ouviria
Rezar é a única esperança
Perdido no meio de tanto vazio
A sua fé te pergunta quem és
As suas crenças não puderam entrar
Como o sol, que vai se escondendo lentamente
Deitando diante da boca da noite, a bocejar
Em instantes será engolido ou terá dormido
Num lugar como esse, os deuses questionam
Olham sem se deter
Agora é você e o vazio
Não há pra onde correr, nem porquê...
Se observar atentamente
Sentirá o gosto amargo, o torpor,
Das lembranças mais ocultas
Dos pecados inesquecíveis que esqueceu
No meio da escuridão,
Fazem barulho todos os erros,
Todas as culpas pesam
Não há a quem pedir perdão
Por um momento a encruzilhada
O suplicio ou o esquecimento?
Não há como escolher,
Sem razão, sem forças, sem opção,
Só te resta tentar dormir
Torcendo para que seja só mais um pesadelo...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho SUPLÍCIO OU ESQUECIMENTO? de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 21 de abril de 2013

SEUS SAPATINHOS

Arte da amiga Safira...

A TAÇA

Bela arte, da amiga Safira...

DESMASCARAR





Viver um sonho
Cumplicidade, lealdade
Estar junto,
Dividir, somar, multiplicar
Tudo o que consegui
Foi perder ao dividir
Somar desilusões
Multiplicar dúvidas
Foi alastrar e expandir a solidão
O beijo não vem da boca
Só passa por ela
Assim como o grito
Assim como a expressão de dor
Assim como as palavras pontiagudas
A boca é só o canal
Assim como a mão é só um instrumento,
entre intenção e gesto
Seja qual for a intenção,
Seja qual for o gesto,
O vilão está acima, muito acima,
E transita entre dois mundos
Invisível e voraz
A alma carrega o ócio e o desejo
Carrega o ódio e o ensejo
Carrega a têmpera,
exata, perfeita, necessária
O equilíbrio, a dose certa,
Paira como nuvem
Atravessa como lança
Fere como punhal
Faz-se indiferente, como a própria sombra,
Com sol a pino,
Somos todos iguais
Iluminados e aquecidos
Lembrados ou esquecidos
É gente que se vai sem ter ido
Sem jamais pretender voltar
Até que a mascara caia
E nem a punição mais, será justa...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho DESMASCARAR de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.



domingo, 14 de abril de 2013

REGRESSO

REGRESSO by amigos do poeta
REGRESSO, a photo by amigos do poeta on Flickr.
REGRESSO
Todos os dias aos
teus olhos eu regresso
regresso devagar
a tudo o que era antes
e que ainda permanece
Na extremidade
de teu silencio
habitável
ANDRE RUIZ

ACREDITANDO







Ele apoiou o chapéu na bandeja
Por puro descuido
Desavisado o mágico,
fatiou o chapéu
Distribuindo a todos
Era bolo, era chapéu,
não importa,
Quem viu, viu chapéu,
Quem comeu, comeu bolo
Ninguém reclamou,
Nem da borboleta, no chapéu pousada
Nem do confeito, que o bolo enfeitava
Convicção, tão pura convicção
Acreditanto,
O mal, gaseificado, paira
E as nuvens, carregadas d´agua, fazem onda
Sei que estarei em seus braços
Se acreditar que me queres
Assim é que será
... Acreditar...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho ACREDITANDO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

terça-feira, 2 de abril de 2013

EM TUAS MÃOS

EM TUAS MÃOS by amigos do poeta
EM TUAS MÃOS, a photo by amigos do poeta on Flickr.

UM

UM by amigos do poeta
UM, a photo by amigos do poeta on Flickr.

DESCONHECIDO

DESCONHECIDO by amigos do poeta
DESCONHECIDO, a photo by amigos do poeta on Flickr.

EM MIM

EM MIM by amigos do poeta
EM MIM, a photo by amigos do poeta on Flickr.

QUERO

QUERO by amigos do poeta
QUERO, a photo by amigos do poeta on Flickr.

ASSIM SEJA

ASSIM SEJA by amigos do poeta
ASSIM SEJA, a photo by amigos do poeta on Flickr.

A ESPERA

A ESPERA by amigos do poeta
A ESPERA, a photo by amigos do poeta on Flickr.
A ESPERA
A memória
é um silêncio
que espera
Um pouco de joio
jogado em algum canto
da alma
a espera de ser trigo
ANDRE RUIZ

VIDA A DOIS

VIDA A DOIS by amigos do poeta
VIDA A DOIS, a photo by amigos do poeta on Flickr.
VIDA A DOIS
Que a comunhão
se faça
tanto no beijo
como no silêncio.
Que a vida seja assim
um saborear
de amor sem fim
ANDRE RUZ

"FALO"

"FALO" by amigos do poeta
"FALO", a photo by amigos do poeta on Flickr.
"FALO"
Quero-te
muito além
do que falo
Muito alem
do falo
do falar
das palavras
E todo resto
é só silencio
ANDRE RUIZ

TOCOU-ME

TOCOU-ME by amigos do poeta
TOCOU-ME, a photo by amigos do poeta on Flickr.

TOCOU-ME
Lágrimas que se
desprendem do ventre
extase intenso ,
suspiros da alma…..
tocou-me!!!!!
ANDRE RUIZ

DE AMOR

DE AMOR by amigos do poeta
DE AMOR, a photo by amigos do poeta on Flickr.