Pesquisar este blog

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

oratório de estrelas


poemas embalam ausências
com olhos ressequidos
vigiam o vazio

enganam-se diante do nada
vultos em vigília descrente

até a lua se espanta
da porta retrocede
e se compadece

acende estrelas
como velas

caem as horas
como preces



Karinne Santiago



Foto: Anka  Zhuravleva

2 comentários:

  1. Poemas também embalam vida com os olhos ávidos de vida... a luz das mesmas estrelas a enfeitar o oratório que vemos pela janela... belíssimo poema, filhotinha KARINNE... sempre bom tê-la comigo... siga junto, pertinho sempre... beijos de VC

    ResponderExcluir
  2. Estarei sempre, mainha Vera Celms!!!

    Beijos infinitos encurtando distâncias...

    ResponderExcluir