Pesquisar este blog

domingo, 11 de novembro de 2012

FLOR ORVALHADA





Quando duas pétalas...
Entreabertas te esperam
Entre pulsações e espasmos
Úmidas, guardam da minha flor
o túmido avolumado botão
Que arde ainda mais com a imaginação
Querer-te e não te ter
Entregar-me em pensamento
Tocar por um momento
Louca devassidão
Estremeço, tremo, vibro, enlouqueço
Quero em mim, a sua mão
E as duas pétalas se abrirão
E teu rijo querer receberão
Como flor orvalhada
Que se abre na madrugada
Sem pudor e sem recato
Em delírio quase insensato
Abrindo a ti por inteiro...o coração...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho FLOR ORVALHADA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

3 comentários:

  1. Uma bonita sintonia entre o erotismo e a sensibilidade insinuante. Amores platonicos e distantes são assim, plenos de imaginação e formas criativas.

    ResponderExcluir
  2. BELÍSSIMO, SENSUAL E POÉTICO, PARABÉNS MANINHA VERA, MIL BJS.

    ResponderExcluir
  3. Teresa, minha querida amiga, que bom tê-la por aqui, prestigiando e celebrando conosco a poesia... obrigado pelo carinho. Venha mais, venha sempre... beijos de VC...

    MANINHA MIL, obrigado pelo carinho de sempre... beijos de VC

    ResponderExcluir