Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

TUA AUSÊNCIA... POEMAS MIL.


Tua ausência... 

E tenho vivido de tua ausência 
Sem a luz do teu amor 
Tentando encontrar em outras presenças 
Aquilo que você me significou 
E vou vivendo como um rio barrento 
Carregado de escombros e de terra 
Daquela tempestade que me assolou 
Tenho sido um riso falso 
Escondendo em mim o tormento 
Desde que você se foi, me deixou... 
Tenho vivido de tua ausência 
Sem a luz do teu amor 
Buscando em outras andanças 
Um pouco de vida, um pouco de flor 
Amenizar a dor desta sentença... 
Vou vivendo nos meus versos 
Um sonho de felicidade que não vingou 
Pranteando o triste reverso 
Do coração que um dia chorou 
E nunca mais amou 
Vou vivendo de ti 
Ainda que não estejas mais aqui! 

Maria Iraci Leal/MIL 
POA/RS/Brasil 
28/11/2012 
Obra protegida

E ENTÃO VOAR

E ENTÃO VOAR by amigos do poeta
E ENTÃO VOAR, a photo by amigos do poeta on Flickr.

soneto singular

soneto singular by amigos do poeta
soneto singular, a photo by amigos do poeta on Flickr.

ILUMINA

ILUMINA by amigos do poeta
ILUMINA, a photo by amigos do poeta on Flickr.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

CHUVA FINA... POEMAS MIL.


CHUVA FINA... 

É chuva gostosa e mansa que escorrega 
Se solta das nuvens devagar e apenas roça 
Pinga com sutileza e vai formando as poças 
Entregando com carinho sua seiva á natureza! 

Chuva que entre pingos e respingos deliciosos 
 Parece dizer dum amante que segura o seu “auge” 
Que em golfadas espaçadas espera por sua fêmea 
Juntos chegarem ao clímax, juntos no orgasmo! 

É chuva fina que chega, vai entrando nos recantos 
Lavando a terra, fertilizando e inundando as cavernas 
Deixando no ar cheiro de amor, um cheiro de mato! 

São águas calmas e sorrateiras que sem alvoroço 
Escorrem pelas vias e calçadas, lambem as vidraças 
Inspiram muitos amores e suores nas alcovas! 

Maria Iraci Leal/ MIL 
POA/RS/Brasil 26/11/2012 
Obra protegida

domingo, 25 de novembro de 2012

PICO DO SOLDADO




                                                                                     


Cada soldado tem no bolso uma moeda...
A cada um compete decidir
Se pagará mais um gole,
ou se continuará guardada...
Marcham todos juntos...
Mas o destino é o leme
Que levará cada um pra um horizonte

Cada soldado tem no bolso uma moeda...
A cada um compete decidir
Se pagará a fuga da guerra,
O lugar no front,
Ou se continuará guardada...
Todos estão juntos
E a cada cabeça, uma sentença
Todos terão de decidir,
Entre matar ou morrer
Entre defender-se ou deserdar
Mas, todos, terão afinal de decidir...

Cada soldado tem no bolso uma moeda
A cada um compete decidir
Se pagará sua ultima oração,
Sua ultima vela,
Ou seu ultimo “pico”,
-   pra não sentir mais nada...
E assim deixar, que os outros decidam
O que afinal pagará a sua moeda,
Sua última oração,
a pagina policial
ou a sua lápide...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho PICO DO SOLDADO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

PALAVRA QUE VOCE ESCONDIA

E QUANDO ERA TUDO TÃO IGUAL

E QUANDO ERA TUDO TÃO IGUAL
Ela gostava de tudo aquilo
e quando tudo era tudo tão igual
ela chegou iluminando-me
do imenso
Linhas da minha escrita
poesias do dia a dia
ate que a noite novamente
nos acolhesse
Em um não sono profundo
e forçado para acordar
novamente em seus braços
E quando era tudo tão igual!!!
ANDRE RUIZ

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

diálogo sobre miragem e cantigas noturnas





passamos a noite
eu, fingindo ser lua
ele, convidando palavras
confundimos estrelas cadentes
eu, fiz um pedido
ele, reticências
rimos diante do impasse
eu, sonhando acordada
ele, versando cantigas
ninamos distâncias
em miragem de ausências


Karinne Santiago

CARINHO

                                                              Arte da Safira...

AQUELE BEIJO


A flor do meu jardim

                                                 Formatação da cara amiga Safira...

ABRAÇA-ME

                                                   Bela arte, da cara amiga Safira...

domingo, 18 de novembro de 2012

EMBRIAGUEZ





Dos meus olhos vazam azuis intensos
As imagens se confundem, embaçadas,
Mal posso focalizar seu vulto,
Minhas forças alteradas,
Minhas pernas travadas, embaralhadas,
Outros olhares, tão alheios,
condenam minha atitudes
parece me confundirem com algum ser estranho
Palavras desconexas,
desordenam meus pensamentos,
e, cada um pra um lado procuram você
Desvarios guiados
Tontos como querubins
que empunham flechas pela primeira vez...
E eu aflita,
Desfalecendo
Meu corpo cai inerte,
Bêbado...
E pelo toque de sua mão me refaço
Inteira?
Não sei...
A última pagina do mistério, deixei de ler...
Pelo menos já reconheço você...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho EMBRIAGUEZ de
Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

sábado, 17 de novembro de 2012

CIDADE SITIADA (CRÔNICA MIL)


CIDADE SITIADA...

Já há algum tempo que foi dito:
Chegará o dia em que 
nos encerraremos dentro de casa e, 
ainda assim não estaremos seguros...
Realmente não há mais para onde fugir, 
as cidades viraram campos de guerra...
Por último se exterminam policiais para que a bandidagem faça o que bem quer... 
Tomar de assalto o homem trabalhador, 
ferir o cidadão de bem...
Nada disto é por acaso e Arnaldo Jabor o explicaria muito melhor do que eu...
Nas minhas simplórias palavras 
diria apenas que:
São todos responsáveis, 
governos, sociedade, etc, etc...
Até aquele que um dia enxotou o mendigo da sua linda esquina, e não é que ele retornou como bandido?
Cedo ou tarde isto aconteceria...
Do jeito que a sociedade atual vive, 
o que poderia esperar?
É muito fácil jogar detentos dentro de um sistema prisional podre, inventar Ongs e, 
o que é necessário realmente fazer, não é feito... O dinheiro corre de mão em mão, doações ficam apodrecendo em contêiner e???? 
Nada acontece!
Mas agora é o CAOS, impera o terror... 
O filho mal educado e cheio de vontades, virou drogado e depois traficante e depois bandido.... Querem mais? Aliás depois das mortes, devem vir outras tantas e quando a maldita se aproximar de alguém muito importante, 
creio que busquem as soluções...
Muito triste mesmo!
E de tudo que temos, Forças Especiais, 
Armadas e etc...
Se já não era para uma modificação completa, unindo estes sistemas e colocando-os nas ruas para defender o cidadão...
O brasileiro que luta e trabalha para sobreviver dignamente! Sinceramente, 
é o CAOS e o domínio do mal e,nós que rezemos, 
enquanto debatem nos gabinetes!!!!
Não há mais para onde fugir, o mundo virou um campo de guerra, morte e impunidade!
Deus nos defenda, mas será difícil  sem fazermos a nossa parte, sociedade e governos em prol do cidadão, nem Deus poderá nos acudir!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
17/11/2012