Pesquisar este blog

terça-feira, 16 de outubro de 2012

"ACEFALIA BRASILIENSIS"


               “ACEFALIA BRASILIENSIS”

                                                               *Agamenon Troyan

Não, não se trata de especulação ou notícia sensacionalista. Estou falando do maior assunto que corre à boca pequena pelos quatro cantos do país: “Quem matou Max”?
Há alguns anos, se não me engano, essa mesma pergunta varreu o país do Iapoque ao Chuí, mas com uma grande  diferença: a vítima era uma mulher rica e impertinente chamada “Odete Roitman” (Vale Tudo /1988).
O Brasil se afundou num sonambulismo tão profundo que ninguém ousou despertá-lo. Foi preciso aguardar até o derradeiro momento para que algum “testa de ferro” se atrevesse.
“Eu vejo o futuro repetir o passado...”, disse o compositor e poeta Cazuza. Será que as “nossas idéias ainda não correspondem aos fatos”?
Quando é que encontraremos a cura desta “Acefalia Brasiliensis”?
O país vai cobrir-se de verde e amarelo no último capítulo de “AVENIDA BRASIL”. Depois que o assassino for revelado a milhões de brasileiros, um grito retumbante – e insuspeito – será ouvido.
Após tudo isso, poderemos, então, nos dirigir para algum ponto desta avenida e aguardar com ansiedade o bonde retrógado do dia a dia.


--
Carlos Roberto de Souza
(Agamenon Troyan / Poeta e Editor)

2 comentários:

  1. Carlinhos, prazer em tê-lo por aqui!!!
    Acho que a fórmula foi seguida, mas não tomou o mesmo caminho. Com a Odete Reutmann, a autoria do crime nunca foi revelada, assim como somente neste ano foi dada uma autoria ao crime de Salomão Ayalla, em O ASTRO... a formula funciona no seu tempo. Acho que o povo anda tão carente de resoluções dignas no quadro nacional, que deleita-se com os resultados da ficção. Neste 2012, estamos conhecendo um "herói de capa preta" de verdade. Alguém que afinal nos acena com justiça, com vida após o deleite tão indecente da corrupção. Salve a ficção,que é onde podemos sentir a redenção de nossos sonhos. Bela crônica Carlos, beijos de VC

    ResponderExcluir
  2. Caríssimo poeta e escritor, belíssima crônica...O ser humano, a vida e a Globo, tudo se repete nesta bola viva onde as pedras rolam e rolam, se encontram... Em cada passada algo se acrescenta ao crescimento, ainda que lento... A vida por si própria nos impele e, a Globo faz o seu papel em busca de fórmulas mágicas ainda que repetitivas, a novela atual "Em família" de certa forma repete os conflitos da anterior, mas desta feita não obteve o mesmo ibope, o que nos revela que estamos cansados, queremos mais criatividade, ou bordagem mais qualificada... Enfim, teu texto é magnífico... Apesar de tudo faço minhas as palavras da minha mana Vera "Salve a ficção,que é onde podemos sentir a redenção de nossos sonhos"

    ResponderExcluir