Pesquisar este blog

domingo, 30 de setembro de 2012

FALTA DE VOCÊ




Saudade travestida de historia
Contada na madrugada solitária
Profusão de emoções
Arrepios, choques, transcendência,
Andar sem tocar o chão
Voar sem asas
Sonhar sem cerrar olhos
Viajar sem sair do lugar
Apaixonada sem ter você...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho FALTA DE VOCÊ de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

LOGRANDO A PAZ/ POEMAS MIL.


LOGRANDO A PAZ...

Começando-se com um belo sorriso
O bom dia que relações edifica
O aperto de mão que solidifica
Carinho, abraço que conquista amigos!

A cada dia abrindo-se de coração
Doando-se e nas boas atitudes
Ir ao encontro do nosso semelhante
Espargindo o amor e a compreensão!

Quebrando as barreiras do pensamento
Da divergência que traz o preconceito
Nos afastam de Deus e dos seus preceitos!

Reescrevendo a nova história do mundo
Na almejada paz e a harmonia
Entre nações, comunidades e povos!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
26/09/2012
Obra protegida
Formatação Safira Saldanha


domingo, 23 de setembro de 2012

ENXOVAL GUARDADO




Talvez eu seja só de outro tempo,
de quando se acreditava nos amores,
De quando os amores tinham só um peso,
Tinham só um rosto
Tinham só um credo,
Nem tão distante!
Não de quando qualquer amor era “amor”,
Não de quando se curava mal de amor com solidão,
Sou do tempo que já se admite fantasias,
prazer, orgasmo, loucas viagens,
Das mansas taras, da libido inflamada, ousada,
Da mulher feliz,
Da busca, da tomada de novos rumos,
De se admitir volta,
De se admitir o próprio erro...
De quando a vida já passou a ser via de duas mãos,
Da época da redescoberta,
De que a luz ao final do túnel não tem de ser um trem
De que água mole em pedra dura tanto bate,
até que molha todo mundo...
De que até os relógios que atrasam também podem adiantar um dia,
E que águas mansas podem sim ser só um poça
Sou da época da reinvenção da vida, dentro da própria vida,
De que nem sempre precisamos fechar para reforma,
Sou de uma época romântica, poética...
Cresci, evolui, transcendi...
O mundo deu tanta volta, mas continuamos aqui,
E acho que só dessa vez, abri o baú do tempo
E encontrei intacto o monograma do passado no enxoval guardado
Justo agora que aprendi como se criam monogramas,
Mas, agora, e antes de mais nada,
Vamos esperar evaporar o cheiro do tempo...
E só então saberemos se ainda vamos querer usar alguma coisa...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho ENXOVAL GUARDADO de
Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O HOMEM QUE CAMINHA/ POEMAS MIL.





O HOMEM QUE CAMINHA

Ao entardecer margeando o lago
Caminha o homem que busca renovar-se
Aliviar-se dos cansaços e da lida
Transmutar todas as suas energias!

No seu andar silente e de alforria
Vai aos poucos desanuviando a mente
Deixando para trás as suas agonias
Soltando suas preocupações ao vento!

O homem que caminha ao final do dia
E entra em contato com a natureza
Encontra um bem estar constante!

Encontra uma grande terapia
Renovação, forças para o dia seguinte
A magia de Deus renovada em si mesmo!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
19/09/2012
Obra protegida
!


domingo, 16 de setembro de 2012

IDAS E VINDAS




Nascemos com as mesmas marcas,
Leves, sutis, irreleváveis
Indisfarçáveis,
Indiscutiveis e inegáveis,
Nascemos pelas mãos dos mesmos anjos,
quando as harpas tocavam,
as trombetas soavam,
As mesmas notas,
ressoadas no universo,
aos quatro ventos,
Quando os querubins anunciavam,
a mesma sintonia,
Somos notas desprendidas
do mesmo concerto divino
da mesma dádiva celestial
Só tomamos rumos diversos,
Viajamos por caminhos tantos,
Rodamos sem rumo
Tantas vezes, em torno do mundo
e nada mudou,
Continuamos ressoando a mesma nota,
Tantas provas nos puseram a prova
Tantas rondas em torno de nós
E o que ganhou distância,
Também ganhou dimensão,
E o que era só uma nota,
um sentimento orquestrou
Afinal, o som bate e volta,
E duas notas, compõem uma harmonia,
Tocamos afinal pelos cantos do mundo,
Apaixonados, alcançando os apaixonados,
Sem nunca nos encontrarmos,
Sinfonia composta um dia a dois corações,
A quatro mãos,
Que ainda que jamais se unam,
Jamais perderão a direção,
Sem nunca precisar se justificar...

Vera Celms

O trabalho IDAS E VINDAS de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

domingo, 9 de setembro de 2012

CUANDO EL AMOR... POEMAS MIL.


CUANDO EL AMOR...

Cuando el amor llega a nuestras vidas
Nos sentimos tocar todas las estrellas
El sol parece más brillante y radiante
La vida se convierte en una gran fiesta!

Cuando estamos enamorados
Sentimos vibrar cada célula del cuerpo
Nos sentimos más fuertes y más motivados
Nos acompaña la fuerza del amor!

Vivimos por el afecto y los sueños
Nos convertimos en mejores personas
Todo se pone mucho más valor!

Cuando se siente  que el amor es el camino
Es para alguien a quien amar o la vida
Todo tiene más colorido y más sabor!
 
Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
09/09/2012

EM MEMÓRIA DE STARLUMINY... POEMAS MIL.


MEMÓRIA DE STARLUMINY...

Ela era o coração puro da criança
Ao derramar sua poesia na GANGORRA
Tinha imenso brilho das grandes estrelas
Que docemente um dia chegou no EPA!

Há tanto a dizer fico me debatendo
Na intensa emoção que me cerca
Foi poesia, presença constante
Aportou brilhou logo partiu no tempo!

A mulher criança no coração puro
Tinha muito bem guardado nos seus muros
A dor d’amor que estava em outro mundo!

E a vida grande em sua magnitude
Deu-lhe a graça de partir ao encontro
Do seu amado, um amor tão profundo!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
07/09/2012
Obra protegida
(Formatação da amiga Safira Saldanha)

AINDA QUE NÃO OUÇAS, DESCULPA-ME... POEMAS MIL.


AINDA QUE NÃO OUÇAS, DESCULPA-ME...

Não creio em amor pelas metades
Nem em afinidades fatiadas
As palavras que juram amizade
Devem ser para sempre honradas!

Ainda que não me ouças, desculpa-me
Se eu tiver que ser uma pessoa falsa
Me perderei da luz e da verdade
Não posso anular-me ás tuas vontades!

A claridade do sol é única
O Leste é a grande caminhada
Nuvens? São apenas nuvens de chuva!

Espiritualidade deve comandar a mente
Termos um certo grau de consciência
Para aceitar as diferenças!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
07/09/2012

ANJO ENCAPUZADO






O brilho dos teus olhos,
Tem pedido muito...
Uma súplica dorme no teu sorriso
Uma lástima da tua ausência habita meu dia inteiro,
Na tua expressão protegida,
Uma vidraça que procura esconder teus medos
E eu aqui,
Armada qual moleque de pedra e estilingue,
Sei que a lapidação do teu olhar é primitiva, é rude,
Que o som do teu sorriso é mudo,
Mas, me vejo lá; inegável,
Escondida, mas inegável,
E prometo: ainda quebro a tua vidraça,
Só não sei mais definir
Pelo tanto que te amo,
Do tanto que te quero
Se hoje sou mais eu ou mais você
Pois se já nos confundimos nos nossos próprios olhares
Não pode ser tão pouco
Não pode ser acaso
Não pode ser fugaz
Não pode ser afinal o anjo, só um menino transparente...
Alado...pronto para fugir, sempre...
Mas, um homem com o peito largo, em chamas,
Pronto para defender sua amada,
ou pelo menos... seu amor...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho ANJO ENCAPUZADO de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada