Pesquisar este blog

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Paradoxo Insistente

por Lucia Andrade

Imagina se eu cheirasse,
Se fumasse, se bebesse...
Estopim de uma bomba
Que já veio ao mundo
Pronta pra explodir.
No momento da criação
Passei na fila da energia
Umas mil vezes.
Não sei se sou mulher,
Cachorro com raiva
Ou rojão
Que voa rumo ao céu,
Explode,
Colore,
E volta pro chão.
Orgasmo à flor da pele,
Olhar fatal de falcão.
O Criador assim me fez
E eu não consegui mudar
Em uma overdose de vida
Que ninguém consegue aceitar.
Bicho solto, bicho estranho,
Paradoxo insistente.
Peixe fora d´água,
Alienígena, monstro,
Simplesmente diferente.

3 comentários:

  1. Lucinha, adorei essa coisa de rojão, que explode, sobe,ilumina e volta ao chão... esse orgasmo a flor da pele... SENSACIONAL... dá-lhe poeta... amei tudo isso... que prazer ler-te... beijos de VC

    ResponderExcluir
  2. Mas é assim que eu me vejo. Deus, em sua infinita sabedoria, me trancou em um corpo doente, deixando que a mente viajasse, contendo-me desta forma. Caso contrário, o mundo seria pequeno demais. O dia que você me conhecer pessoalmente, vai saber que é verdade.

    ResponderExcluir
  3. Lucinha, mesmo não te conhecendo pessoalmente, consigo sentir esse seu pulso... é notável... muito claro pra mim... agora, ainda mais, conhecendo mais a miude a sua poesia... adoro isso em você... mil beijos de VC

    ResponderExcluir