Pesquisar este blog

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

O eco da trombeta... Poema MIL.


O eco da trombeta...

Trombeta inquieta que me anuncia
O viver que passa e se perde rapidamente
Nos sonhos que continuam no passado
Á portas fechadas, encastelados
Recordações que não reverenciam 
Este novo tempo do presente
Um som grave e alto toca insistente 
Ecoa em mim o brado que vem de dentro 
Grita por mudanças e a necessidade 
De queimar diários e as velhas cartas 
Retomar a caminhada com novas bases 
Inaugurar outra fase, viver os momentos 
Num ritual solene de despertar interior 
Acendo a fogueira com línguas de fogo 
Queimo as fotos antigas e os tormentos
Pelo ar espalho o perfumado incenso 
Batizo o renascer sem logro e sem dolo
Desço a bandeira negra do mastro
Mato a noite eterna do meu ontem 
Anuncia-me inquieta a trombeta 
A hora do recomeçar!  

Maria Iraci Leal/MIL 
POA/RS/Brasil
 01/02/2012 
POA/RS/Brasil
Direitos Reservados
Creative Commons License

Um comentário:

  1. MANINHA MIL, um brado quase heróico em favor de si mesmo. Que forte, valente, decisivo, incisivo... APLAUDO-TE EM PÉ... PARABÉNS... pelo poema e pelo recomeço de sempre... Admiro-te de montão.
    Beijos da IRFÃ VC

    ResponderExcluir