Pesquisar este blog

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

CHE GUEVARA


 O látego do carrasco
            Deixou a mostra as veias abertas
            De uma América sem líderes,
            Cheia de ditadores patéticos
            E de déspotas obtusos,
            Promíscuos em suas salas de mármore.

            Há os que iludem com discursos
            E os que mentem sem palavras –
            Apoderam-se de mecanismos de tortura
            Para espalhar o pânico e o terror.

            A América se ergue com a sua mão direita
            Que, ensangüentada, deixa-se extinguir,
            Cambaleante cai sobre a perna esquerda,
            Em repetidos golpes...

            O guerrilheiro está morto!
            Seu idealismo se tornou sonho,
            O sonho transcreveu sua lenda,
            A lenda transformou-se em eternidade.

            A América de Guevara se perpetua,
            Em sua eterna busca
            Pelos verdadeiros líderes,
            Por sua total e plena liberdade.


*Agamenon Troyan

2 comentários:

  1. Carlos, adorei esse poema, carregado de força e idealismo... fantástico... Esse é o Agamenon Troyan que conheci... beijos de VC

    ResponderExcluir
  2. Magnífico poema, poeta Agamenon Troyan, meus cumprimentos, bjs MIL.

    ResponderExcluir