Pesquisar este blog

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Caos irrevogável...Poema MIL.


Caos irrevogável...

Emudeci e perdi a voz
Perante a visão torpe e maligna
Da mão gesticulando no espaço
Sem piedade e nenhuma razão
Brandindo a mortal espada
Calada nada há para dizer
Esgotaram-se todas as palavras
Perante a maldade configurada
O ultra cúmulo  do mau querer
Resta o espanto e a convicção
Do caos irrevogável e absoluto
A mesma boca que beija morde
Avilta e arranca pedaços
A mesma mão que abraça mata
Delibera, planeja o assassinato
Mundo corrompido
E leis transgredidas
O sentimento perdido em conflitos
O bem querer morto pelo caminho
Palavras e gestos, contraditórios
E a flor é presenteada com veneno
Nada mais há para dizer
É o caos irrevogável e absoluto
Sem valores e sentido
A boca que beija morde
A mão que abraça mata
A espada fere de morte!

Maria Iraci Leal/MIL
11/02/2012
POA/RS/Brasil

Um comentário:

  1. Quantas flores envenenadas já não nos ofereceram? quantos presentes carregados de falsas intenções, ou de negras energias... cruel... mas, real... beijos de VC, MANINHA MIL

    ResponderExcluir