Pesquisar este blog

domingo, 1 de janeiro de 2012

Não foi falta de amor / Poema MIL


Não foi falta de amor 

 Não foi por falta de amor 
 Que te deixei e tomei outro rumo 
 Foi por amor mesmo e convicção 
 De que o amor não paga penitências 
 Quando não há mais objetivos em comum 
 É o mínimo de bom senso numa relação 
 Quando divergentes se tornam os mundos 
 Não há mais porque e sentido algum 
 De caminhar lado a lado, de seguir juntos 
 Quando o amor se transforma em agressão 
 Cobranças, mal entendidos e ciúmes 
 É impossível navegar nas mesmas águas 
 E compartilhar dos mesmos sonhos 
 Não foi por falta de amor 
 Que te deixei e tomei outro rumo 
 Foi por amor mesmo e convicção 
 De que não deveria pagar penitências 
 Nas tuas teorias e preconceitos 
 Nas tuas manias e inconsciência 
 Exigindo de mim o ser perfeito 
 Foi por amar a mim mesmo 
 Que parti em busca do Olimpo 
 E dizer que o teu orgulho 
 Não permitiu o mais simples 
 Apenas dizer “Eu te amo” 
 E quando disse, anos depois 
 Era muito tarde, tarde demais!

 P.S.em 01/01/2011 
 Você foi o maior amor e o único 
 Mas eu tive que me amar, buscar Deus 
 Deixar de fazer meu mundo em você!

Maria Iraci Leal_
MIL 27/11/2011/ POA/RS/Brasil 
Direitos Reservados 
Creative Commons License

Um comentário:

  1. MANINHA MIL... amor é também renúncia, ainda que seja em favor de nós mesmos, afinal... amei... lindo mesmo... o mais tarde que foi tarde demais... PARABÉNS MANA... beijos de VC

    ResponderExcluir