Pesquisar este blog

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

CATARSE

Não quero mais que você me ame,
Não quero mais que olhe por mim,
Quero que me esqueça...
Como quem esquece um livro lido ao acaso,
Como quem esquece um compromisso sem importância,
Como quem esquece uma catástrofe...
Quero agora ser a catarse,
Ocorrida num sonho,
Hoje, um sonho sonhado só...
Não quero mais que debruce seu relógio sobre minha lembrança,
Quero passar...
Como passa um pesadelo,
Como passa o gosto ruim de um remédio,
Como passa uma dura obrigação,
Quero ser agora como um cãozinho,
Que late na sua casa só em troca de pão,
Quero ser o terminal esquecido,
Quero ser agora a cura do seu mal já curado...
Algo que passou pela sua vida...
Sem volta...
Sem saudade... sem muita lembrança...
Sei que serei para sempre a cicatriz indisfarçável,
Perdoa pela marca... se puder..
Mas me dou toda para você agora como antídoto,
Para que não incorras novamente no mesmo erro,
Não ignore mais nada por amor,
Não perdoe mais nada por amor,
Não suporte mais nada por amor,
Se um dia tiver de cobrar alguma coisa,
Ainda que seja só por amor...

Vera Celms
Licença Creative Commons
A obra CATARSE de Vera Celms foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário