Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Esta noite


Loucura ou magia... nem sei...
Mas nesta noite vou te amar como nunca amei!
Bordarei flores adocicadas e perfumadas com meus lábios em tua boca,
Tecerei, fio a fio, o meu amor em teus cabelos perdidos em meus dedos                   ávidos de ti,
Pintarei cada pedacinho do teu corpo com o arco-íris do meu olhar apaixonado,  que se renderá ao meu abraço farto de carinhos...
Esta noite, como nunca houve outra antes, farei do meu corpo teu quente abrigo, tua ardente morada,
Roçarei aos teus ouvidos as mais doces palavras de amor...
O meu tatear terá a delicada, mas intensa sofreguidão de quem muito esperou
E tua alma encantada se entregará à minha alma embriagada                   
pelo elixir do amor mais lindo e da mais quente paixão!...





AMIGOS DO POETA: TANTO FAZ

TANTO FAZ

TANTO FAZ
Quero esse nosso tanto faz
reinventar o verbo amar
Me vejo em você
espelho da minha alma
Teus gestos teus jeitos
em teu rosto
sinceridade e amor
construindo meus sonhos
morando na minha historia
reinventando o verbo amar
ANDRE RUIZ

ESPERO UM DIA

ESPERO UM DIA



ESPERO UM DIA
O caminho pode ter sido outro,
mas a verdade é que ninguém
consegue mentir para si mesmo.
Nesse meio tempo
desde aquele dia só você
Minha garganta esta fechada
ainda ausente de
mim espero um dia
poder gritar seu nome
eu te amo
I believe you and me
ANDRE RUIZ

OASIS

OASIS

OASIS
Água límpida
em um deserto
de solidão.
Estrela que me guia
rastro de pólen que
aprendi a seguir
bálsamo que me alivia
E eu que não sabia
usar o coração
Ate aquele dia
ate você chegar
me despertar,
respirar mergulhar
pulsar de amar
Água límpida
em um deserto
de solidão me invadia.
ANDRE RUIZ

Dedico ao amigo e parceiro de duetos Rogério Miranda/ Poema MIL.


Dedico ao amigo e parceiro de duetos
Rogério Miranda.

O que posso escrever?
Senão versos e rimas muito tristes
Um poema que chora e se lastima
Pelo imenso vazio que nos fica
Como não dizer que a poesia perdeu
O mestre da palavra, o poeta da paz
A poesia inspiradora que vinha do céu
A luz que se derramava sobre o Caos
Que incentivava a nossa fé
O que dizer da morte irreverente
Que entra sem pedir licença
Arrasa e cobre a lousa de luto
Resta-nos apenas a certeza
De que nasceu uma radiante estrela
Em algum outro lugar, longe da Terra
Próxima da lua, junto de Deus
E nós que também somos poetas
Continuar é somente o que resta
Buscar na poesia do mestre
O exemplo da paz em seus versos!

Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil/30/01/2012
O poeta Rogério Miranda

retornou , dia 18/01/2012
para a Pátria Espiritual.


Ó trabalho"Dedico a Rogério Miranda" de Maria Iraci Leal
foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0-Não adaptada   

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A noite me liberta/ Poema MIL.


A noite me liberta

Liberta-me a noite
Com seu silêncio
Em que no leito deitada
Saio vagar em pensamento
Minhas carnes dilaceradas
Cansadas de pedradas
E meus traços rotos
Desaparecem como encanto
Viajo ao mundo de Zeus
Á morada de meus mortos
Encontro-me com Deus
Esqueço de muitos rostos
De sua maldade felina
Suas almas de ateus
A noite me liberta
Dá-me o passeio divino
A força que necessito
Para voltar á rotina
Retomar o cotidiano
Cumprir meu objetivo
Amar e ser amada
E tudo que é bendito!

Maria Iraci Leal_MIL
POA/RS/Brasil
04/11/2011

O trabalho “A noite me liberta" de Maria Iraci Leal
Foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0-Não adaptada   


UM NÓS  LAÇOS

UM NÓS LAÇOS

Destino unindo historias
um amor que não se pede
não se da porque já é
não se precisa procurar
Um nós laços de vida
um inicio
entrelaçando caminhos
Uma certeza …
a vida sempre
vale a pena
Destino unindo historias
uma promessa
ser feliz sem fim.

ANDRE RUIZ

domingo, 29 de janeiro de 2012

O palco de Maria! Poema MIL.



















O PALCO DE MARIA!
As cortinas do teatro sobem lentamente
Acendem-se as luzes, a platéia está lotada
A peça de uma vida será encenada
A magistral jornada de uma existência
Aplausos, muitos aplausos, divinos e terrenos
Inicia-se o primeiro ato: O “Nascimento”
Lágrimas de felicidade, sorrisos, um vagido
Nasceu Maria, saída do ventre da mãe
As 14:20 minutos sua alma enfrenta o mundo
Pequenina e mirrada, menos de dois quilos
Cabe numa caixa de sapatos, não tem chance
Mas lá de cima alguém já havia decidido
 Viverá e enfrentará o seu destino
Esperada é a sua morte, a sua sentença
Maria é muito pequenina, mas luta e aguarda
Pelo progresso que desponta e lhe dá de presente
A sua vitória... Maria é salva pela Penicilina
Menina com força de menino venceu a morte...
Baixam-se as cortinas para os próximos atos
Contarão de Maria e de suas vivências
Da infância tão feliz, da juventude sonhada
Dos seus ideais, seus desejos e fantasias
Maria amou, casou, separou, teve filhos
Viveu dramas e comédias sempre sorrindo
Lutou com garra de leão, com fé e emoção
Viveu muitas tristezas e grandes alegrias
Vive ainda... Cenas finais no palco de sua vida
Não cerraram as cortinas e ela já se eternizou
No amor e na coragem, na sua fé desmedida!
Maria Iraci Leal_MIL_22/09/11
POA/RS/Brasil
Ó trabalho “O palco de Maria" de Maria Iraci Leal
Foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0-Não adaptada   

sábado, 28 de janeiro de 2012

VENTO MOLEQUE


(propostos 7 VERSOS COM 13 PALAVRAS CADA)

Flores claras de verão, em cachos, confusas pela chegada da fria fina chuva.
Tontas bailam ao vento, que distraído brinca com o fino galho que trinca
Pondo em risco o cacho de flores, que tão perfumado se exibe inebriado
Vento tolo, não sabe por onde vai, balança o galho, o cacho cai
O que será do cacho, que despencou e separou do galho a flor
Agora a flor no chão caída, olha a planta que se enverga entristecida
Continua o vento. correndo moleque pelo jardim, sai, bate o portão, chove enfim...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho VENTO MOLEQUE de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

O lugar de ser feliz / Poema MIL.


O lugar de ser feliz

Singrei tantos mares e águas
Fiz parada em tantos portos
Viajei por tantos mundos e sonhos
Vivi entre chegadas e despedidas
Buscando o lugar de ser feliz
Sentei-me á mesas opulentas
Dos muitos castelos e reinados 
Entre cristais e talheres de prata
Viajei por muitos e muitos lugares
Adentrei por inúmeras portas
Entrei e sai, nada encontrei
Meditei, refleti e decidi
Refazer a caminhada
Voltar ao ponto de partida
Lançar um olhar furtivo
Para dentro de meu ser
Perceber que não é preciso
Motivos ou lugar para ser feliz
Apenas encontrar a paz 
Dentro de mim mesma!

Maria Iraci Leal_MIL
21/01/2012
POA/RS/Brasil
Ó trabalho "O lugar de ser feliz" de Maria Iraci Leal
foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0-Não adaptada   

Sorrisos sem quimera / Poema MIL.


Sorrisos sem quimera...

Vaguei por entre sorrisos amarelos
Forçados e desconcertantes
Sorrisos que escondiam mistérios
Nos seus olhos fugidios e pululantes
Eram tantas faces e olhares errantes
Bocas balbuciando palavras desconexas
Perdidas de si, em algum lugar da mente
Vaguei por entre tais criaturas sem tino
 Mortos em vida, sem esfera e itinerário,
De olhares tristes e lacrimejantes
Tão evasivos tão alienados do mundo
Vaguei por entre sorrisos sem quimera
Caricaturas de almas partidas e solitárias
Que não suportaram o mundo conflitante
Não suportaram talvez os seus sofrimentos
Esconderam-se num lugar de suas mentes
Onde a ciência e a filosofia não alcançam
Evadiram-se da vida, fugiram da própria razão
Em suas auras as sombras de muitos danos
Em suas almas a tristeza e o lamento!

Maria Iraci Leal/MIL
27/01/2012
POA/RS/Brasil
Ó trabalho “Sorrisos sem quimera" de Maria Iraci Leal
Foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0-Não adaptada   

Rosa desfolhada! Poema MIL.

Rosa desfolhada!

Caminho á sombra dos plátanos
Pisoteada tal qual rosa desfolhada
Arrancada do jardim dos sonhos
Escapa-me a revoada das borboletas
Mal ouço o canto amável dos colibris
Mal diviso o celeste azul do céu
A grande luz que desce do infinito
Um véu negro imenso cobre o meu lume
Os meus olhos que de tão tristonhos
Choram lágrimas grossas e a mágoa
De meu coração pesaroso e aflito
Onde andará minha adorável primavera
Os perfumes que alimentaram minhas noites
A brisa suave de minhas madrugadas
Eu sei apenas que carrego enorme lastro
Duma saudade que permanece guardada
Dum amor que se perdeu, foi covarde
Destruiu por medo as possibilidades
Não soube ser um amor de verdade
Caminho á sombra dos plátanos
Pisoteada tal qual rosa desfolhada!


Maria Iraci Leal/MIL
27/01/2012/POA/RS/Brasil


Ó trabalho “Rosa desfolhada" de Maria Iraci Leal
Foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0-Não adaptada   

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

PERFEIÇÃO

PERFEIÇÃO

PERFEIÇÃO
Aura mais fluída
que te percorre
segurança e proteção
de mim o melhor verso
poesia
Esse ponto g
que na verdade
e alma doçura
me acalma
a tua candura.
Em tuas formas
a fartura
em teus excesso
toda leveza delicadeza.
Em tua busca
a pureza maior
de se entregar
perfeição.
ANDRE RUIZ

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Muito além daqui / Poema MIL.


Muito além daqui

Onde tempo não é programado
Não existe castigo nem pecado
A vida não é jogo nem acaso
Não há disputas nem conquistas
E pessoas não são peças de tabuleiro
Muito além daqui
Além das cores do arco íris 
Vibra a vida em perfeita harmonia
Não há dor, culpas ou culpados
Não há dogmas nem aforismos
Sómente amor e equidade
Energias em diversas formas
Vivendo na mais completa aliança
Como parte integrante do Cosmos
Em planos e planetas, miríades de estrelas
Dimensões que o ser humano não alcança
Por gravitar ainda no mundo dos desejos
Nos sentimentos individualistas
Antagonismos e crenças que alienam
Separam o homem do próprio homem
Muito além daqui
Onde não existe castigo nem pecado
A vida flui em perfeita conexão
Cada qual em sua forma e condição
Como elemento partícipe do Cosmos
Enquanto a Terra se perde entre sombras
O ser humano em conquistas e guerras!

Maria Iraci Leal/MIL
24/01/2012
POA/RS/Brasil

Ó trabalho “Muito além daqui" de Maria Iraci Leal foi licenciado com uma Licença

Creative Commons License- Atribuição- Não Comercial-Sem Derivados 3.0 Não adaptada   

SÃO PAULO, MINHA TERRA (PARABÉNS PELOS 458 ANOS)


vista do Parque Trianon na Av.Paulista, SP/SP

 
Já foi a terra da garoa
Hoje, já é terra das tempestades de verão
Das enchentes, dos congestionamentos
Falta tudo, falta até educação
Por outro lado tem de tudo,
Trabalho, cultura, industria, comercio e diversão
Esta Terra é um mundão
Difícil até indicar um só sotaque
Com gente de tanto lugar
Difícil identificar
Cada bairro um país
Liberdade, sucursal do Japão
Campo Belo, Vila Zelina, só tem alemão
Bom retiro; judeus, coreanos, bolivianos
Enfim, espanhóis, nigerianos, portugueses
São todos hoje, uma só grande nação
Começaram a chegar na colonização
De imigrantes, só aumentou a população
Gastronomia rica, a mais diversificada do mundo
Esta terra nunca dorme
Tem trabalho dia e noite
Em todo lugar tem janelas acesas a noite inteira
De manhã, na ida ao trabalho uma grande zoeira
Ônibus lotado de montão
Carros nas ruas, motos e bicicletas
Andar nas ruas é uma árdua tarefa
Cruzar a cidade é uma viagem
Que se faz todo dia pra trabalhar
São Paulo não pode parar
Tem escola de samba, batidão e discoteca
Tem sinfonia, forró e tango; uma mistureba...
Fumaça, buzinas, alto-falantes,
Marreteiros, plaqueiros,
Lojas, açougues, shoppings e livres feiras
Museus, cinemas, teatros e barraqueiras
Pedintes, moradores de rua e até muambeiras
São Paulo é uma loucura
Encontra-se qualquer coisa que se procura
Seja bem pertinho ou na lonjura
Belos pores de sol se arriscam
No meio dos arranha-céus
Nos esportes, muitas medalhas e troféus
Igrejas, federações e políticos
Sorveteiros, atores e vagabundos ao léu
Tem policia, cidadão, ladrão e réu,
Tem parques maravilhosos na Aclimação e  no Ibirapuera
Tem metrô cruzando a cidade por baixo da terra
Tem Sapopemba, Jabaquara e Itaquera
Tem Estádios no Pacaembú, no Parque Antártica e Morumbi
Tem Bela Vista, Boa Vista e até Pari
Tem o Edificio do Niemeyer, chamado Copan
Tem Instituto Pasteur, Dorina Novil e até Butantã,
Tem o namoro de duas esquinas; Ipiranga com São João
Tem a Av.Paulista,começando no Paraíso e acabando na consolação
Tem o Parque e a Estação da Luz,
Tem Estação de Metrô, São Bento, Sé, Saúde, Santa Cruz
Aeroporto de Congonhas e Cumbica
Tem carro importado, mas também tem chimbica
Tem muito sol, muita chuva, muito frio,
Tem rodovia, muita rua e Avenida Marginal de rio,
São Paulo podia ser a capital do mundo,
Não, São Paulo já é um mundão...
Amada, idolatrada salve, salve...
São Paulo, ame-a ou ame-a...
Ou deixe-a...

Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho SÃO PAULO, MINHA TERRA de Vera Celms foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

ATALHOS

ATALHO


ATALHO
Quero um atalho
com sombras refrescantes,
a esse meu raciocínio lento,
que por vezes me trai.
Minha alma tem
o peso das lembrança
de notas musicais,
sou lágrima que não chorei,
amor que não vivi,
que espero viver.
Sou meu melhor momento,
inquietação constante,
sou teu claro despertar.
Intenso, visceral,
sou vida que pulsa,
sangue quente corrente.
Quero um atalho
com sombras refrescantes
sou amor sou
constantemente amar.

ANDRE RUIZ

PARA TODO ESSE NOS DOIS

PARA TODO ESSE NOS DOIS
PARA TODO ESSE NOS DOIS
Hoje me revesti
de tua falta
de tua espera
da tua volta.
Te guardo
aqui no meu eu
para todo
esse você.
Em oração
guardo
teu coração
te protejo
abençoando
nosso amor
um canto
um louvor
nosso amor
para todo
esse nos dois
ANDRE RUIZ

Feras e feras... Poema MIL.


















Feras e feras...

Fera de olhar em brasa
Chama de terror mortal
A ferocidade de morte
Nos dentes de punhal
É fera que tem fome
Que dizer do homem
Um animal racional
Consciente da vida e da morte
A fera que mata sem motivo
A fera que mata sem ter fome
Feras e feras
A ferocidade sem nome
E a ferocidade da fome!

Maria Iraci Leal/MIL
23/01/2012
POA/RS/Brasil

Imagem de: Lucas Artes Artes
Ó trabalho "Feras e feras" de Maria Iraci Leal
Foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0
Não adaptada   

Salvemos a poesia / Poema MIL


















“Salvemos a poesia”
O poeta é um canal de sentimentos
A poesia um meio de descrevê-los
O poeta tem a missão de levar o bem
Espargir a paz e a harmonia
“Que a poesia
Não se perca em idiossincrasias
Seja usada como instrumento
De desarmonia e antagonismo
Seja sempre sentimento de amor
Enlevo, graça e encantamento
Lágrima de dor que pede afago
Transmutação que pede carinho
Mensagem de luz que leva energia
Aos corações sedentos de alívio
Se defrontar-se com versos
Contrários aos princípios da paz
Por favor, vire a página
Salvemos a poesia!
Maria Iraci Leal/MIL
23/01/2012
POA/RS/Brasil
Ó trabalho “Salvemos a poesia" de Maria Iraci Leal
Foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0
Não adaptada   

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

ASAS DE SONHOS

ASAS DE SONHOS
ASAS DE SONHOS
Teu ser e onde navego
em tua ausência
nas asas
dos meus sonhos
em minha poesia
toda minha escrita.
Cada linha cada frase
e onde você habita
Verso nascente
uma pauta ….
quase um musical
palavras mudas entre
sorrisos olhares
velada cumplicidade
toda nua rimo -te
para todas as luas
Nas asas dos
meu sonhos
te chamo de amor
ANDRE RUIZ

domingo, 22 de janeiro de 2012

MULHER

MULHER


MULHER
Lindas mãos
pernas grossas
dão um charme
certa bossa
obra prima da criação
Virtuosas formosas
De Deus a maior inspiração
musa de todos os poetas
mulheres de tantas poesias
varias canções melodias
Fugindo a qualquer padrão
ser mulher e o ser mais
próximo de Deus
que eu conheço
ANDRE RUIZ

GENEROSAS FORMAS EXCESSOS

GENEROSASA FORMAS EXCESSOS

GENEROSAS FORMAS EXCESSOS
No abismo de tua alma
estou atado nesses teus segredos
preso ao teu intimo paraíso
Teu corpo teu gosto
em minha boca
preso em tuas coxas
A sombra da lua
se mostra inteira
em tuas
generosas formas
me encantam seus excessos.
Me rendo em tua ousadia
de se entregar
ANDRE RUIZ

SABORIZADO AMOR - Enlace erótico de ANDRÉ RUIZ e VERA CELMS

EU TE MORDISCO A FANTASIA
procurando no teu corpo a alquimia
GOSTO DA PIMENTA DOCE DOS TEUS LABIOS ,
ARDE EM MIM...
Nos teus lábios ardo, matando a tua sede com meu licor/
ABRO ENTÃO O LIVRO DOS TEUS
SEGREDOS, GOSTOS E TEMPEROS,
misturo o meu doce com o seu ardor...
Invento um novo sabor
Toque do tempero certo, na medida certa, toque de magia dos beijos teus
ALQUIMIA DE BEIJOS
TOQUE DE DESEJOS
RECEITA DE AMOR
Reconstruo e reinvento
Lanço nossos aromas ao vento
Ficando nas nossas línguas, notas puras, de raro teor...

André Ruiz
Vera Celms
Licença Creative Commons
O trabalho SABORIZADO AMOR - Enlace erótico de ANDRÉ RUIZ e VERA CELMS de Vera Celms/ANDRÉ RUIZ foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

Nas vagas / Poema MIL.


NAS VAGAS

Nas vagas dos teus olhos
Dormem os sonhos abortados
E os desejos que se recolhem
Aos tapetes da alma amofinados
O vazio das histórias mal vividas
A canção de amor jamais entoada
Nas vagas do teu silêncio
Abafadas as múltiplas palavras
D’um sentir tão imenso
Perderam-se de encontro ao vento
Na falha do gesto, da atitude desarvorada
Os queixumes, os lamentos e ciúmes
Mataram todos os intentos
Nas vagas dos teus olhos
Dormes tu e teus sonhos
Porque nunca quiseram ter
Nem viver um amor de verdade!

Maria Iraci Leal_MIL

25/08/11

POA/RS/Brasil
Ó trabalho "Nas vagas" de Maria Iraci Leal
foi licenciado com uma Licença Creative Commons
Atribuição-Não Comercial-Sem Derivados 3.0
Não adaptada