Pesquisar este blog

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

NESTE FINAL DE ANO, SÓ PARA CONTRARIAR, VIVA ESTE MOMENTO




Ufa! Você sobreviveu ao Natal, tirou o sapatinho da janela - antes que o roubassem – e aguentou todas aquelas mensagens de paz que pipocaram na net e na tevê antes da missa do galo.

Agora, no Ano Novo, seja simples, um Forrest Gump.

Pelo menos esta noite, divirta-se, vivendo o seu momento.

Um amigo de Dorothy Parker foi sincero quando a escritora tentou, pela enésima vez, o suicídio: "Dorothy, se continuar com isso vai acabar doente".

A frase serve para quem está disposto a se aborrecer novamente com a chegada de 2012.

Portanto, saia dessa!

É verdade que nenhuma livraria recebeu ainda qualquer exemplar de "Como Ser Feliz No Seu Réveillon", mas por que não começar você mesmo a escrever o primeiro capítulo tomando um banho de champanhe na frente de toda a família.

Lembra daquela música dos Menudos: "Não Se Reprima?" Nessa filosofia, como o ano que se inicia é um enorme livro aberto de 365 páginas em branco, a trilha sonora já está garantida com o velho e bom Gonzaguinha perguntando várias vezes "como será o amanhã?".
Responda quem souber.

E aqui vai um palpite: é enorme a possibilidade de você ser mais feliz agora do que no réveillon de 2013.

Assim, pare de reclamar que toda essa festa é para o comércio faturar os tubos (epa, essa doeu em mim...) e caia na folia.

Se você precisa de mais um sinal, tire o disco do Gonzaguinha e ouça Ataúlfo Alves, aquele que olhou para a infância miserável no interior de Minas e escreveu: "Eu era feliz e não sabia".

Estava escrito há décadas nas estrelas das canções.

Agindo assim, você esta eleito para um ano muito especial.

Mas se nada disso der certo, não me mande e-mails, reclamando.

A culpa não é minha

É, no mínimo, da Dilma.

Que sabe tudo de simpatia.
..................................

No Ano Novo, sem poder prever o que o destino
reservou para os próximos 365 dias,
nos lembra que viemos do pó.
E, como diz Millôr Fernandes,
temos que tirá-lo dos móveis diariamente.
Cest’t La vie!

.....................................

[silvia mendonça]
[Foto:web]

Um comentário:

  1. Silvinha querida!!! como já te disse, do pó viemos e no pó vivemos... já que temos que eliminá-lo ou espantá-lo todos os dias... mas, mais uma vez, deixa pra lá...rsrsrs
    Vamos nos preocupar com os dias que chegarão fresquinhos, novos em folha, sem uso e que são inteiramente nossos, para fazermos deles o que quisermos. Façamos o melhor... dias de gloria!!!
    Continuemos juntas, eu te puxo e você me puxa? topas? e assim vamos, como dois ébrios, mas conscientes da bebedeira de vida que tomamos. Beijos, te amo... VC

    ResponderExcluir